O QUE REALMENTE IMPORTA?


Fico pensando... O que realmente importa em nossa vida? Agradar os outros? Viver de aparências? Ou fazemos o que realmente nos faz bem?
Indagações como essas, são comuns, porque vivemos uma grande interrogação. Uns dizem que não estamos aqui por acaso (e às vezes eu acredito)! Outros dizem que podemos traçar nossos caminhos (eu também acredito)! Mas, qual o combustível que nos move?
Meu combustível não é agradar as pessoas, não é viver em função do que acham ou não acham de mim. Meu combustível é viver. Não importa de que maneira; mesmo que muitos digam que vivo na mediocridade, mas é minha vida e a forma que escolhi para vivê-la, depende de minhas escolhas e de meus caminhos.
Tenho consciência de minhas falhas (que não são poucas); tenho consciência que não sou a razão em tudo (mesmo que eu não dê minha cara a tapas); tenho consciência que posso melhor (mesmo que eu não queira, algumas vezes).
Tenho uma missão! Ser alegre... Isso é suficiente e muito difícil de realizar! Não é que seja a palhaça (mesmo todo mundo achando), mas minha alegria vem de dentro, sabe? É intrínseca! E dessa alegria, nasce a energia para que eu possa viver em plenitude.
Acredite, eu também choro! Só que minhas lágrimas hoje não são visíveis para todos. Choro em silêncio! Choro calada, não porque não existam pessoas que as enxuguem, mas, porque minhas lágrimas servem de reserva para minhas baterias fracas!
Se viver a vida de verdade é beber para me tornar violenta; então não vivi.  Se viver é cheirar algo diferente, além de perfumes, maresia e chão molhado, então não vivi. Se viver é levar uma vida sem propósitos e sem caráter, então não vivi.
Não aceito ministrar minha vida baseada em fatores de não consciência. Sou responsável por meus atos, de cara limpa e sem falsas demagogias. É fácil? Tente! Depois você me conta...
E para você, o que realmente importa?

2 comentários:

  1. Quer dizer então que a amiga nunca cheirou um pozinho?
    Também nunca cheirei!
    Quer dizer então que a amiga nunca puxou uma erva?
    Também nunca puxei!
    Ah minha amiga, creio que somos dois caretas por nunca termos experimentado tal modismo.

    Fco. Souza

    ResponderExcluir
  2. Ah Francisco... Decididamente prefiro ser uma CARETA, do que experimentar modismos que me torne dependente. Prefiro depender do ar puro para respirar, prefiro depender do meu trabalho para alcançar alguns objetivos. Muitas vezes não é bom aderir aos modismos.... kkkkkkkkkkkk
    Prefiro os modismos de uma roupa, de um calçado ou de um corte de cabelo; é saudável e não prejudica a saúde!
    Abraços!

    ResponderExcluir

INSTAGRAM FEED

@aylablogueira